Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Estelionatários usam nome da Celesc para cobrar até R$ 5 mil de consumidores da empresa - Rádio Solidária FM - 105,9 - Muito Mais Você

Fale conosco via Whatsapp: +55 49 991162328

No comando: Mandei Bem

Das 10:00 às 11:00

No comando: Encontro Serranos

Das 7:00 às 8:30

No comando: Top Fã

Das 8:30 às 10:00

No comando: Show Bandas

Das 07:00 às 10:00

No comando: BOM DIA SOLIDÁRIA

Das 08:00 às 10:00

No comando: Estação Solidária

Das 10:00 às 12:00

No comando: Mistura Total

Das 10:00 às 12:00

No comando: Raízes do Pampa

Das 10:00 às 13:00

No comando: Máquina do Tempo

Das 12:00 às 13:00

No comando: Domingaço

Das 13:00 às 15:00

No comando: SHOW DE BANDAS

Das 13:00 às 15:00

No comando: Show de Bandas

Das 13:00 às 15:00

No comando: TOP FÃ

Das 13:00 às 15|:00

No comando: Mandei Bem

Das 15:00 às 17:00

No comando: Antena Mix

Das 15:00 às 17:00

No comando: Arena 105

Das 15:00 às 17:00

No comando: ARENA 105

Das 15:00 às 17:00

No comando: LAÇO DO PEÃO

Das 17:00 às 19:00

No comando: Show Bandas

Das 17:00 às 20:00

No comando: Music Paradise

Das 19:00 às 20:00

No comando: Voz do Brasil

Das 19:00 às 20:00

No comando: Solidária Online

Das 20:00 às 07:00

Estelionatários usam nome da Celesc para cobrar até R$ 5 mil de consumidores da empresa

Clientes das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) têm sido abordados por golpistas em várias regiões do Estado. No roteiro, duas linhas de argumentação: a necessidade de pagamento de uma multa por conta de um defeito no medidor ou uma determinação da Justiça Federal que pode culminar na suspensão do fornecimento de energia. Ambas as histórias são falsas.

Os valores exigidos são altos e há relatos de quem foi “intimado” a pagar R$ 5 mil para não ter a energia cortada – ainda que caso o valor não fosse pago, nada aconteceria de fato. Segundo o chefe da Divisão Comercial e Administrativa da unidade Mafra (SC) da empresa, Maurício César de Oliveira, a história é construída de modo a induzir o consumidor ao erro.

Foto: Félix Zucco/Agência RBS)

Fonte: NSC

 

Deixe seu comentário:

Publicidades